• André D'Angelo

Voa, carro, voa

Embraer e Hyundai testam veículos aéreos para uso diário


Enquanto a Citroën tenta vencer a batalha da mobilidade do futuro pelo chão, com um veículo que nem é propriamente um carro (conforme post da semana passada, disponível aqui), outras três empresas pretendem fazê-lo pelo alto – literalmente.


Embraer (foto), Hyundai e Uber estão empenhados em construir, para uso urbano, veículos que se deslocam pelo ar – o popular "carro voador" das fantasias infantis e dos desenhos animados (mais detalhes aqui e aqui, para assinantes).


Disrupção à vista?


Se entendermos o conceito em sua acepção mais corriqueira, a de uma inovação radical que muda a vida das pessoas e cria mercados, claro que sim. O que não significa, necessariamente, que Embraer e cia. sairão vencedoras dessa corrida.


O motivo?


Bem, a inovação proposta por elas é tão radical que vai trazer uma série de implicações legais, comportamentais e urbanísticas. E são justamente essas implicações que tornam o projeto mais sujeito ao fracasso.


Não que a aposta em um modal de transporte individual aéreo urbano seja descabida. Mas é que, por serem pioneiras, Embraer, Hyundai e Uber tendem a sofrer toda a sorte de revés, deixando livre o caminho para as seguidoras. Afinal, a inovação é da mesma dimensão da mudança de comportamento exigida para que seja adotada, bem como da adaptação do poder público e da sociedade como um todo: imensa.


Por esses motivos, a aposta da Citroën é obviamente mais viável no curto e médio prazo, e, mesmo que não redefina mercado algum, pode ser suficiente para sustentar a transição da companhia até o futuro à la Jetsons que as companhias anunciam.


É esperar para ver.